Biblioteca


Artigos Cientificos

(Re)Estruturação da resposta de Centro de Dia para Unidade de Humanitude
 2015-04-24

Dissertação de Mestrado do Dr. Pedro Cardoso, Director Técnico do Centro Social Paroquial de São Jorge de Arroios


Resumo:

Na tentativa de encontrar um modelo teórico de suporte à prática do dia-a-dia do Centro Social Paroquial de São Jorge de Arroios, encontrou-se uma filosofia de acção – Humanitude- que pode responder a este anseio. Escolheu-se um caminho conceptual que respondesse às questões: quem encontramos? Quem é encontrado? Como agir nesse encontro? Assim, respondendo às questões levantadas, faz-se uma incursão pelos conceitos de Pessoa, Relação de Ajuda e Cuidar, para chegar a uma Filosofia de Acção – Humanitude, como resposta à questão: como agir. Trata-se de um Projecto de criação de um Centro de Dia em Humanitude, e para o qual se propõe um novo conceito de Resposta Social.


Disponivel em:

http://repositorio.ucp.pt/handle/10400.14/17245

O conceito de humanitude: uma aplicação aos cuidados de enfermagem gerais
 2015-04-24

Autora: Margot Phaneuf, inf., Ph. D.

Tradução: Nidia Salgueiro, Enfermeira Professora Aposentada

Os cuidados de enfermagem definem-se a partir de diferentes modelos teóricos em que todos visam a prestação de cuidados de qualidade, a autonomia e a independência do sujeito que requer cuidados, do mesmo que uma visão global da sua pessoa e das suas capacidades. Estes modelos declinam-se em diversas aplicações que favorecem a organização dos cuidados e uma maior precisão do papel da enfermagem junto do doente e na sociedade.

Acontece todavia que temos grande necessidade de reavivar a chama que deveria animar os nossos cuidados, porque quem de nós não ouviu aqui ou ali críticas denunciando a sua desumanização. Não há, infelizmente, remédio miraculoso para este mal. Mas talvez tivéssemos necessidade de tornar as coisas mais concretas para cuidadores e estudantes e devêssemos fundamentar as nossas acções sobre certas noções fundamentais daquilo que faz essencialmente o humano, sobre o que determina profundamente as suas necessidades e sobre a importância de as ter em conta no cuidar dos doentes.

Existe um conceito antropológico mais simples e talvez susceptível de nos ajudar neste sentido. É o conceito de « humanitude » popularizado por Yves Gineste e Rosette Marescotti (...)


publicado online em: http://www.infiressources.ca/fer/depotdocuments/O_conceito_de_humanitude_-_uma_aplicacao_aos_cuidados_de_enfermagem_gerais.pdf

O significado da filosofia da humanitude, no contexto dos cuidados de enfermagem à pessoa dependente e vulnerável
 2015-04-24

Autores: Mário Simões *; Manuel Rodrigues **; Nídia Salgueiro ***


RESUMO

Revisão sistemática seguindo a metodologia dos sete passos do Cochrane Handbook, formulando a seguinte questão: Qual o significado do conceito integrador de humanitude, no contexto dos complexos e delicados cuidados que os enfermeiros prestam, a pessoas doentes vulneráveis e dependentes?
No processo de resposta à questão, seguindo a metodologia sistemática, com base numa estratégia de pesquisa refinada e exaustiva a bases de dados relevantes, não se obtiveram respostas aos descritores relacionados com cuidados de enfermagem, que intersectem o conceito humanitude. No entanto, através de motores de busca e contacto com investigadores nacionais e estrangeiros, foi possível recolher um pequeno acervo de documentos, que revelam a pertinência da questão de investigação e indicam a existência de trabalho avançado na aplicação da filosofia da humanitude aos cuidados de enfermagem. O trabalho mais relevante é o método de Gineste e Marescotti, no cuidado a doentes dependentes e vulneráveis, desde 1975. Com este estudo de revisão, observa-se uma nova oportunidade de investigação, através da implementação e monitorização do método, com uma população de pessoas doentes dependentes, em Portugal.


PALAVRAS-CHAVE: Filosofia da humanitude; cuidados de enfermagem; humanitude holística.

*Mário Simões. Enfermeiro Chefe, Hospitais da Universidade de Coimbra.
**Manuel Rodrigues. Professor Coordenador com Agregação. Escola Superior de Enfermagem de Coimbra.
***Nídia Salgueiro. Enfermeira Professora Aposentada.
 

Publicado por: Revista de Enfermagem Referência II Série II.ª Série - n.°7 - Out. 2008

Importância e aplicabilidade aos cuidados de enfermagem do método de Cuidados de Humanitude Gineste - Marescotti®
 2015-04-24

Autores: Mário Simões; Manuel Rodrigues; Nídia Salgueiro


RESUMO

Contexto: A filosofia dos cuidados de Humanitude enfatiza o valor da ligação relacional e fator humano (Simões, Rodrigues e Salgueiro, 2008). Gineste e Marescotti, destacam-se pelo contributo do seu método de cuidados de Humanitude publicado por Gineste e Pellissier (2007). 

Objetivos: conhecer a importância que os enfermeiros atribuem aos cuidados baseados na filosofia da Humanitude e no método de Gineste e Marescotti; Identificar em que medida os enfermeiros referem que aplicam na prática os princípios do método de Gineste e Marescotti.
Metodologia: Estudo descritivo desenvolvido com dados recolhidos numa amostra de 160 enfermeiros, da população abrangida pela Secção Regional do Centro da Ordem dos Enfermeiros e que voluntariamente responderam ao inquérito eletrónico. O instrumento de colheita de dados construído e validado, é constituído por 28 itens nas dimensões “aproximação sintonia” e “consolidação proação”. 

Resultados: Os enfermeiros inquiridos indicam ser muito e muitíssimo importantes os procedimentos de “aproximação sintonia” (90,31%) e de “consolidação proação” (85,47%). Apenas 2,21% desvalorizam o método. Na prática de cuidados, os enfermeiros dizem aplicar frequentemente, ou sempre, os princípios de “aproximação sintonia” (83,05%) e “consolidação proação” (69,69%).
Conclusões: Seguindo uma estratégia observacional em contexto, pretende-se verificar em futura investigação a coerência entre a

opinião expressa e a prática efetiva.

PALAVRAS-CHAVE: filosofia da Humanitude; cuidar em Humanitude; cuidados de enfermagem; idosos.


Publicado por: Revista de enfermagem Referência III Série - n.° 4 - Jul. 2011

Cuidar em Humanitude: estudo aplicado em cuidados continuados
 2015-04-24

Autores: Mário Simões*; Nídia Salgueiro**, Manuel Rodrigues***


RESUMO: 

O primeiro estudo científico, sobre o método de cuidados de Humanitude de Gineste e Marescotti (MGM), foi desenvolvido em Portugal por Simões, Rodrigues e Salgueiro (2011b). Em continuidade, este estudo de investigação ação envolve uma equipa de cuidadores e uma população de idosos dependentes internados, de uma Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI), com o objetivo de desenvolver as competências dos cuidadores na aplicação do MGM, em contexto, e avaliar as respostas físicas, cognitivas e emocionais dos doentes cuidados de acordo com esse método. Os instrumentos de medida incluem as duas escalas de perceção do valor e aplicabilidade do MGM, utilizadas no estudo anterior, e uma grelha de observação direta sistematizada, validada para este estudo. Os resultados de diagnóstico inicial são coincidentes com o estudo anterior, indicando uma perceção elevada de valor e aplicação na prática clínica da sequência de procedimentos, no entanto os dados observacionais revelaram grandes desvios entre perceção e realização efetiva. Neste artigo descreve-se, com algum pormenor, o percurso das primeiras etapas deste projeto, cujos resultados orientam para as etapas seguintes, seguindo a metodologia de investigação ação associada (IAA). 

PALAVRAS-CHAVE: humanitude; cuidados continuados; investigação


* Enfermeiro Chefe, CHUC [simoes3m@gmail.com]
** Enfermeira Professora Jubilada
*** Professor Coordenador Principal, ESEnfC [demar7@gmail.com]

 

Artigo realizado no contexto do projeto de doutoramento em enfermagem na Universidade Católica Portuguesa

Publicado por: Revista de Enfermagem Referência III Série - n.° 6 - Mar. 2012

Impacto da Metodologia de Cuidados Humanitude na redução da agitação e consumo de psicotrópicos nas pessoas idosas internadas
 2015-04-24
Autores: João Araújo; Olívia Oliveira; Rafael Alves


RESUMO

O crescente envelhecimento com o aumento dos níveis de dependência e doenças crónicas e degenerativas, colocam novos desafios ao sistema nacional de saúde e aos cuidadores. As demências e as alterações
comportamentais revelam-se como uma das grandes dificuldades dos cuidadores, que preferencialmente utilizam uma abordagem farmacológico, para controlo destas. A Metodologia de Cuidados Gineste-Marescotti

(MCGM), vulgo Humanitude, assume-se como uma abordagem não-farmacológica que produz ganhos em saúde, levando à diminuição da agitação em 85,7% e na diminuição da utilização de psicofármacos em 49,2%. 


PALAVRAS-CHAVE: Agitação, Humanitude, Geriatria, intervenção não-farmacológica


Publicado no Livro de actas do 1º IPLeiria’s Health International Congress | “Health@ipleiria.cong” – Best practice for a Better Health

Care giving and nursing, work conditions and humanitude
 2015-04-24
Autores: Sylvain Biquand, Benoit Zittel 

RESUMO: 
O aumento da expectativa de vida nas sociedades ocidentais faz com que o aumento de internamentos na velhice, nomeadamente para os pacientes com formas de demência, incluindo a doença de Alzheimer. Esses pacientes relacionam-se mal com cuidadores e enfermeiros, e os casos de maus-tratos têm sido repetidamente relatados. Para prevenir abusos e aumentar a qualidade de vida do paciente, Gineste e Pelissier (2007) propuseram uma filosofia de cuidado baseado no conceito Humanitude®. Reconhecendo que o ser humano é um ser vertical e de relação com outros seres humanos, os pilares da Humanitude® são olhar, tocar, conversar, e em pé. Estes modos de relação são sistematicamente desenvolvido em cuidados dando técnicas derivadas do conceito. Depois de vários estudos em hospitais geriátricos, para avaliar aspectos psicossociais e ergonômicos do trabalho, apresentamos uma análise da diferença entre a lógica do cuidado humano e a lógica da organização hospitalar, impactando nas condições e bem-estar psicológico dos colaboradores. A prestação de cuidados não é apenas um "one to one" relação com o paciente, mas precisa ser integrado em toda a organização. Psicólogos e fisioterapeutas devem ser instrumentos para a definição do projeto e da organização ligando o cuidado aos pacientes e melhorando condições de trabalho. 


Palavras-chave: trabalho de análise, cuidado, maus-tratos, humanitude, burn-out 


N.º41 Publicado na Revista Trabalho: 1

Um enfermeiro no Apoio Domiciliário – Onde, quando, como e porquê.
 2015-04-24

Autor: João Araújo


RESUMO

Introdução

O envelhecimento populacional torna-se, paradoxalmente, num dos maiores desafios dos sistemas de saúde dos países desenvolvidos. Coadjuvado pela mudança na estrutura familiar, propicia à dependência e à institucionalização. Os Serviços de Apoio Domiciliário (S.A.D.) são enunciados como um dos modelos de intervenção mais eficaz, pela proximidade à comunidade e atraso da institucionalização, no entanto está longe da excelência. A qualidade dos cuidados é directamente proporcional ao profissionalismo dos cuidadores, que muitas vezes são desprovidos de formação técnica especifica e carecem de orientação por profissionais qualificados para a prestação de cuidados. Isto condiciona os serviços de apoio domiciliário ao apoio à dependência da pessoa e restringe os serviços a actividades básicas de alimentação, higiene e lide doméstica. Este projecto pretendia demonstrar a importância da integração de um enfermeiro numa valência de S.A.D. de uma I.P.S.S., tanto pelos ganhos em saúde, como pela diferenciação, valorização e sustentabilidade do serviço.


Metodologia
Com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, durante um ano um enfermeiro foi integrado numa valência de S.A.D, a 12 horas por semana. O enfermeiro era responsável pela avaliação, planificação e prestação de cuidados, bem como da coordenação dos cuidados de saúde necessários. Paralelamente, consoante as necessidades identificadas eram realizadas sessões de formação e formação-acção com as cuidadoras sobre assuntos específicos do envelhecimento, ética, deontologia e saúde pública. Com base numa metodologia de investigação acção, fez-se uma avaliação inicial e final dos indicadores de dependência, através da aplicação do Índice de Barthel e durante o projecto foram monitorizados indicadores de impacto, entre os quais a satisfação dos clientes e cuidadoras e a taxa de encaminhamento para o SNS.


Resultados

O projecto teve a duração de 54 semanas, o que se traduziu em 330 visitas domiciliárias. Aquando da entrada do enfermeiro na instituição, embora esta estivesse licenciada para prestar cuidados a 72 clientes, apenas 58 pessoas usufruíam do serviço, com uma média de idades de 81 anos, em que a maioria era do sexo feminino (58%). No final do projecto para uma clientela de características idênticas, esse número encontrava-se já nas 64 pessoas. O grau de dependência dos clientes, de acordo com o Índice de Barthel, demonstrou uma redução de 14% nas pessoas “Dependentes” e “Grandes Dependentes” (gráf.1). O grau de satisfação com o serviço dos clientes manteve-se em patamares elevados, na ordem do Muito Bom (96%). Por cada situação sinalizada pelas cuidadoras como necessária uma intervenção de saúde especializada, em apenas 13% delas foi necessário o encaminhamento para o S.N.S. Foram realizadas 6 sessões de formação que foram bastante valorizadas pelas cuidadoras, com um score de 83% de concordância com as mesmas e temáticas abordadas. 


Conclusão

A inclusão de um Enfermeiro, ainda que a tempo parcial, no S.A.D. foi uma mais-valia para os clientes, famílias e colaboradores desta IPSS. Esta acção teve um impacto positivo na qualidade dos serviços da instituição, estando associados a importantes ganhos em saúde, como por exemplo a redução da dependência e redução de custos. Ainda que a redução de custos não reflicta como um benefício directo à Instituição, este é um importante contributo para a sustentabilidade do S.N.S. A satisfação dos clientes embora tenha mantido o mesmo score, a utilização do serviço tem aumentado devido à percepção da diferenciação e valorização do mesmo. Projectos semelhantes deverão ser repetidos para comprovar estes resultados. 


PALAVRAS-CHAVE: Qualidade de Cuidados, Enfermagem Geriátrica; Prescrição de Cuidados; Ganhos em Saúde; Redução de Custos

Impactos da Humanitude em Portugal
 2015-04-24

Autores: João Araújo, Rafael Alves, Rosa Melo, Cristina Câmara e Pedro Cardoso


RESUMO

Introdução

Na saúde a relação é considerada uma competência opcional e avaliações de desempenho concentram-se nas capacidades técnicas, negligenciando a qualidade das interações. No entanto, a relação é basilar ao cuidado e, simultaneamente, a principal causa de conflitos entre profissionais de saúde e pacientes. O Método de Cuidados Gineste-Marescotti (MCGM) , com base na filosofia de cuidados Humanitude (FCH), promove a profissionalização da relação nos cuidados.

Objetivo

Este seminário pretende apresentar o impacto da MCGM e FCH na qualidade dos cuidados nas unidades de saúde em que foi implantado , durante os três últimos anos em Portugal.

Método

Um seminário onde 5 oradores irão refletir sobre a necessidade de uma mudança de paradigma nas instituições de saúde, sobre a aplicabilidade nos programas de base dos estudantes de saúde, sobre o estado da arte em Investigação e projetos de investigação associados, os resultados alcançados no contexto de cuidados e sobre o sucesso deste projeto de empreendedorismo social.

Resultados

Três anos após a primeira Tese de Doutoramento  sobre a Humanitude,  de onde saíram inúmeras informações exemplificativas do impacto positivo da implementação do MCGM e FCH numa unidade de cuidados de saúde, outros estudos científicos apresentaram uma redução de 49,12 % na administração de medicamentos psicotrópicos e uma redução de 30,7% de pacientes acamados numa enfermaria de medicina, uma redução de 63% dos sintomas comportamentais e psicológicos da demência ( SCPD ) durante os cuidados, uma redução de 33% da incidência de quedas e uma redução de 33% no absentismo de cuidadores num lar de idosos, uma redução de 14% de pessoas dependentes e muito dependentes, uma redução de 40,12 % na recusa de cuidados e uma redução de 41,61% dos SCPD no contexto domiciliário. Para além disso o IGM Portugal foi distinguido com o prémio de " Qualidade Investigação" pelo Instituto Politécnico de Leiria e "Boas Práticas de Empreendedorismo Social" pelo Instituto de Empreendedorismo social .

Conclusão

As competência relacionais têm sido omissas na formação em saúde, e por isso têm sido negligenciado pelos profissionais. No entanto, está positivamente relacionada com indicadores de desempenho, tais como a satisfação do cliente e resultados de saúde, exigindo por isso maiores esforços na sua profissionalização .

A conclusão da Tese de Doutoramento permitiu a disseminação de MCGM e FCH no contexto dos cuidados Português. Vários estudos têm comprovado a eficiência deste método de cuidados e o impacto positivo nas pessoas cuidadas, nos profissionais de saúde e nos ganhos em saúde. Portanto MCGM e a FCH devem ser promovidos entre os estudantes, profissionais e gestores, tanto nacional como internacionalmente .

O MCGM e a FCH estão intimamente associados a boas práticas e este seminário aborda-os de várias perspectivas, apresentando resultados interessantes sobre essa ferramenta de cuidados inovadora .


PALAVRAS-CHAVE: Filosofia dos cuidados Humanitude, Método de Cuidados Gineste-Marescotti, Qualidade dos Cuidados; Sintomas comportamentais e psicológicos da demência; Ganhos em Saúde


Publicado no livro de actas do Colóquio Internacional de Intervenções Não-farmacológicas na doença de Alzheimer

Tese Doutoramento: Cuidar da humanitude - método de Gineste e Marescotti Aplicado a Pessoas Internadas em cuidados continuados
 2015-04-24

Autor: Mário Simões


RESUMO

O aumento de idosos dementes com quadros de agitação patológica e oposição aos cuidados é uma realidade crescente. Atualmente estima-se superior a 35 milhões de pessoas idosas dementes no mundo e a duplicar em cada 20 anos, com custos superiores a 400 biliões de dólares e com muito sofrimento, inclusive nos cuidadores que têm dificuldade de lidar com este tipo de casos. Em Portugal, a população idosa estimada é superior a 2 milhões de pessoas. Das quais, mais de 150.000 são portadoras de demência. Algo de elevado impacto económico e social que levou a surgir o Decreto-Lei n.º 101/2006 de 6 de junho que estabeleceu a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) para apoio institucionalizado, assim como a Resolução do Conselho de Ministros n.º 61/2011 de 22 de dezembro, que formalizou a coordenação e funcionamento do Ano Europeu do Envelhecimento Ativo em 2012, de acordo com o Parlamento Europeu e o Conselho da União Europeia, que designaram 2012 o Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações, para a consciencialização e progressos na resolução de problemas inerentes. A enfermagem desempenha um papel importante no cuidado a pessoas com demência em espaços de intimidade, procurando promover a pessoa doente à altura da dignidade humana. No entanto, a ação dos enfermeiros indica, por vezes, uma tendência para o afastamento do essencial relacional, tanto em favor dos princípios da economia e da tecnologia, como pela não utilização de modos de cuidar que o proporcionem. Em França, o Método de Cuidados Humanitude Gineste Marescotti (MGM) revelou ser uma resposta válida. Diminuiu os quadros de agitação e oposição aos cuidados das pessoas dementes, promovendo-lhes uma postura ativa, melhorando também a satisfação profissional dos cuidadores e reduzindo significativamente a taxa de absentismo devido a lesões músculo-esqueléticas e burnout. A resposta técnica e científica deste método motivou a realização de uma sequência integrada de estudos com a finalidade de aplicar o MGM na Região Centro de Portugal (RCP). No primeiro estudo prévio descritivo, aplicou-se um questionário a uma amostra de enfermeiros da RCP, com mais de dois anos de exercício profissional, para determinar a aceitação dos enfermeiros ao MGM. Obteve-se um elevado nível de aceitação, tanto pela importância atribuída aos procedimentos cuidativos humanitude inerentes ao método como pela perceção de os aplicarem na prática.No segundo estudo, com abordagem de Investigação Ação Associada e estratégia de formação na ação (FA) em contexto real de cuidados, procedeu-se à aplicação do MGM numa Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) de Coimbra que aceitou envolver-se no projeto. O diagnóstico de situação revelou nível de aceitação elevado, idêntico ao dos enfermeiros da RCP, enquanto os resultados da observação prévia atingiram scores baixos, portanto, há um elevado desvio entre prática percebida e prática efetiva. A observação dos procedimentos humanitude durante a FA atinge scores elevados, diminuindo o desvio verificado entre a prática percebida e prática efetiva. A agitação, medida no início e no final da FA, diminuiu substancialmente. Nos seus relatos, os cuidadores evidenciam satisfação pelos efeitos positivos nas pessoas cuidadas devido aos cuidados se tornarem mais fáceis e gratificantes. Ocorrências externas e internas perturbaram a realização do acompanhamento previsto. Apesar disso, a observação avaliativa realizada seis meses após a FA revela que alguns procedimentos estavam bem integrados na prática, enquanto outros decaíram, mas mantendo-se acima dos scores atingidos na observação diagnóstica. Conclui-se dos resultados deste estudo, em consonância com os obtidos pelos autores do MGM, que os instrumentos de colheita de dados criados são funcionais na sua aplicação e há pertinência de implementação do cuidar em humanitude, em contexto português.


Publicada por Universidade Católica Portuguesa em http://repositorio.ucp.pt/handle/10400.14/13913

Documentos Institucionais

Flyer Humanitude
 2014-09-18
Folheto em formato flyer com informação sobre a Humanitude para divulgação.
Apresentação da Empresa
 2014-09-18
Um pequeno documento de apresentação do Instituto Gineste-Marescotti Portugal
Apresentação sucinta do IGM Portugal e da Humanitude em Portugal
 2014-09-18

Breve exposição do Instituto Gineste-Marescotti Portugal, da Metodologia de Cuidados Gineste-Marescotti e Filosofia de Cuidados Humanitude.

Modelo de Implementação
 2014-09-18
Documento explicativo do processo de implementação e metodologia de formação.
Entrevista Jornal Sénior - Cuidar em Humanitude
 2014-09-18

Entrevista do Jornal Sénior ao Enf.º João Araújo e Dr.ª Cristina Câmara sobre a Metodologia de Cuidados Gineste Marescotti e Filosofia de Cuidados Humanitude.

Texto de Alexandra Peixinho Abreu.

Fotografia de Sandra Bernardo.

Publicado na Edição de 01 de Agosto de 2013, nº7 do Ano 1 do Jornal Sénior.

Artigo na Região de Cister
 2014-09-24
Artigo de apresentação do projecto IGM Portugal na comunicação regional de Alcoabça.

Livros Humanitude

Humanitude: Comprendre la vieillesse, prendre soin des hommes vieux
 2014-09-04
Livro em francês de Yves Gineste e Jérome Pellisier, sobre a Filosofia de Cuidados Humanitude
Humanitude - um imperativo do nosso tempo
 2014-11-25

Livro da Enf.ª Nídia Salgueiro, redigido para cuidadores profissionais e informais, sobre a Humanitude em Portugal, enquanto filosofia e implicações práticas nos cuidados.


Para adquirir o livro contacte-nos.

Área de Cliente

Contactos

Newsletter

Inscreva-se na nossa newsletter para receber novidades

Todos os direitos reservados
© Humanitude 2017